Uma seleção para o Brasil

carta

A festa mundial do futebol já acabou, mas vou aproveitar o poder que o futebol tem de despertar paixões para provocar você, colaborador, a fazer um paralelo do esporte com a política. Essa última é um assunto muito mais relevante para nosso futuro, mas que parece perder em importância e, infelizmente, não gera tanta comoção.

O Brasil tem sido penalizado pelas escolhas políticas que a sociedade tem feito, mas existe uma maneira de começar a mudar este panorama. O caminho é escolher um candidato sério, honesto e ético, mas que também seja capaz de atender as inúmeras demandas que um cargo público exige. Como o técnico da seleção, que precisa escolher os melhores jogadores para cada posição, cada um de nós precisa “escalar” o melhor time para nos representar. Assim, é nossa a responsabilidade de definir a seleção que governará o Brasil. Devemos votar com qualidade e, o mais importante, nos lembrarmos de que não só o presidente é responsável pelo país. Temos um time de políticos em cargos governamentais, nas câmaras legislativas, no Senado etc., e todos são igualmente ou até mais importantes que o presidente.

A hora de montar a “seleção” da mudança está chegando. Você já sabe quem vai escalar?

Marcelo Cenacchi